Review 7×11: Um Novo Dia

 Review 7×11: Um Novo Dia

O episódio começa com Daisy preocupada e rastreando a Zephyr com o Sousa e a May, para tentarem descobrir onde Nathaniel e Garret levaram Simmons. A nave some do radar e eles percebem que ela foi para o espaço, saindo do alcance do satélite. É quando nossos agentes voltam para a base do Farol, junto com alguns prisioneiros aliados de Nathaniel, incluindo Kora.

Assim como a promo e Sneak já haviam mostrado, Daisy logo tenta tortura-lá, por terem sequestrado a Simmons, e Kora (como o maior cavalo de Tróia da história) fala que quer entrar para a SHIELD e mudar o mundo.


Depois de uma esclarecedora conversa entre irmãs, Daisy descobre uma brecha em tudo o que estava acontecendo. Sibyl se baseia somente nas predições e percebe que precisa ir resgatar sua verdadeira irmã, Jemma Simmons (talvez a gente tenha surtado nessa cena, quando ela chama Simmons de irmã, mas nada comprovado). Para isso, ela embarca no Quinjet junto com Sousa e Mack, para irem atrás da Zephyr One.


Enquanto isso, Nathaniel tenta entrar na mente de Simmons, para descobrir onde está Fitz, o que nos leva a flashbacks memoráveis de FitzSimmons nas primeiras temporadas na série (a clássica cena do fundo do oceano e a depois que ele volta de Maveth, na terceira temporada), onde o casal não passava de uma esperança para os fãs.


Nathaniel esse FDP de marca maior dando um soco na Simmons e torturando Deke (MORRA, NATHANIEL, MORRA. E LEVA A KORA JUNTO) para que eles contem o que aconteceu com o Fitz. Depois, ele começa a usar seu poder para torturar a Jemma, agitando seu cérebro. É quando ele percebe o implante, Diana, na nuca dela.

Depois, pula pra May falando com a Kora. Kora fica brava com May, por ter matado a menina de Bahrain, pois a havia matado por não saber controlar os seus poderes e estar machucando os outros. Kora sente que ela também já havia estado na mesma posição da menina de não saber controlar seus poderes e, por isso, “ela faz uma rajada” com o seu poder, na parede, fazendo com que o sistema de energia do Farol fosse reinicializado, trazendo assim, nossa queria amiga Sibyl de volta para o jogo.



Com isso, Coulson descobre uma nova habilidade: especialista em computador. Quando Sibyl invade o sistema da SHIELD com a ajuda de Kora, ela não passa de um código na rede. Ao dizer isso, May questiona Coulson se ele não consegue ler, já que ele sabe o que é ser um código. É quando ele começa a tentar impedir que Sibyl consiga o que quer.

Assim que eles conseguem chegar no espaço, Mack mostra novamente suas habilidades de mecânico, fazendo uma pequena modificação no Quinjet, e depois tendo uma conversa, de partir o coração, com Daisy, onde ela mesma fala o que o fandom sente “Vocês são minha família, eu não sei o que sou sem vocês“. Depois disso, ela conta para o Mack que beijou o Sousa, mas ele não lembra de nada e Mack fica meio contente com isso, principalmente pelo fato de ter feito uma aposta com a Yo-Yo e agora ela deve dinheiro a ele.


Depois muda pra Simmons e Nathaniel novamente. Ele não consegue tirar o implante, Jemma diz que só ela consegue, então ele entra no cérebro dela pra conseguir encontrar o Fitz. É quando ela fala que “quanto mais procurar, mas o Fitz irá embora“. Aí começa com Nathaniel no momento em que Fitz e Simmons são resgatados por Enoch no final da 6ª temporada.


Tem o momento Philinda – eles conversam sobre não serem mais os mesmos de antes, pois cada um mudou muito, por ele já ter morrido e ter sido um robô e ela ter os poderes empáticos. Se antes, quem ia intermediar uma conversa com a Kora era o Coulson, agora é a May, por ela poder sentir o que se passa com a pessoa.


Nesse momento, Sibyl consegue abrir as portas das celas, liberando dois dos aliados de Nathaniel e a Kora. Ela volta a falar que quer fazer uma diferença no mundo, ajudando a SHIELD a fazer dessa linha do tempo, um lugar melhor. Dizendo que pretende fazer isso matando as pessoas que julga serem capaz de prejudicar o mundo. É quando ela menciona o Ward, que ainda era uma criança naquela época, dizendo que muito poderia ter sido evitado sem ele, como Andrew ainda estar lá, assim como Rosalind e Lincoln. Aí Coulson contra argumenta, dizendo ela teria que matar o Garrett também, pois ele foi o responsável pelo que o Ward fez, que eles viram uma realidade em que Ward era uma boa pessoa.

Voltando ao Quinjet, Mack teve uma conversa incrível com Sousa sobre a Daisy (o Mack foi perfeito nesse episódio!! Lembrando do antigo Mack, mais engraçado e leve, de quando o conhecemos). Logo de cara Mack pergunta quais são as intenções de Sousa com a Daisy pois ela estava a fim dele, mesmo, talvez, não se dando conta do fato, ainda. Depois, comenta que ela já sofreu muito, mas gosta do Sousa, mesmo ele sendo um pouco muito na linha as vezes, e ficaria feliz de ver ela com alguém como ele. A conversa acaba do melhor jeito possível, Sousa descobrindo o nome de super herói de Daisy, Quake, e fazendo piada com o nome.



AMÉM que tivemos a primeira cena nova do Fitz na temporada. Ela começa com Jemma descobrindo um melhor design para o implante junto com Enoch. É quando Fitz chega brincando que estava com ciúmes, pois eles estavam passando muito tempo juntos. E pede pro Enoch deixá-los a sós. Nesse momento, eles mencionam um teste de sangue e Fitz cogita que eles tem tempo, que podem viver sem se preocupar com missões ou nada do tipo, já que com a máquina do tempo, eles voltariam para o templo quando quisessem.

Voltamos para outro flashback com FitzSimmons, onde eles tem uma discussão sobre algo que Simmons não quer esquecer e Fitz acha que isso a manteria focada na missão. A cena é bem emocionante dos dois e acaba com Jemma falando “eu não quero esquecer” repetidamente. É quando tudo some, Nathaniel não consegue descobrir o paradeiro de Fitz e Jemma acorda. Quando fica sozinha na sala com Deke, ela vai ajudá-lo e ele pergunta sobre Fitz, no que ela diz “Quem é Fitz?” (a gente sempre achando que não podia piorar….). Isso é bem provável que esteja ligado ao que ela lembrou no episódio 7×09 – As I Have Always Been.


Novamente, quando parece que May consegue mostrar a Kora sobre o Nathaniel, ela começa a lutar com a May, se mostrando mais uma vez, do lado errado da história. Ela destrói uma parede com seu poder e, antes que May pudesse fazer qualquer coisa, Garrett chega e a tira de lá.


Agora, descobrimos os verdadeiros planos da Sibyl e Nathaniel, o real motivo que eles foram para o espaço.


Porém, antes, tivemos mais uma cena Dousy (O SHIPP VIVE), onde eles meio que flertam um com o outro, ele zoando com o nome Quake e ela respondendo – e o Mack ouvindo de longe e rindo (na vida, eu sou o Mack).

Para cortar o momento fofo, seguimos com o plano dos chronicons. Sibyl enviou um chamado para sua espécie e eles finalmente responderam, chegando em diversas naves. Ela manda para eles a localização de diversas bases da SHIELD e Nathaniel ordena para que eles atirem. Enquanto Coulson, do Farol, tenta falar com as demais localizações, vemos as comunicações caindo aos poucos. Depois, nos mostra o Trikeslion sendo destruído pelo tiro das naves chronicons.



Para a cena do “retornamos”, temos Nathaniel encontrando com Kora e os dois se beijando, porque o show de horrores do casal que ninguém-aguenta-mais pode, sim, piorar.

O que achamos?

Sinceramente a promo e sneak do episódio não tinham chamado muita atenção e achamos que seria mais um episódio mediano, onde teria Nathaniel torturando Simmons, e Daisy querendo matar sua irmã, Kora. Mas adoramos a forma como ele foi muito mais do que isso.


Mais uma vez, tivemos um episódio cheio de emoções mistas, onde enquanto você parava de chorar, já começava a rir com a próxima cena.


Além de termos visto Fitz de volta, além das cenas do Flashback (que por si só já fizeram ADMs chorar), com o final da série se aproximando, é possível dizer que eles estão nos preparando para isso, primeiro com Enoch dando seu discurso e agora, na conversa de Daisy e Mack.


Na verdade, eles fazem questão de jogar essa história de última missão na nossa cara a cada oportunidade que tem, mas tudo bem, sem ressentimentos.

Alguns momentos podemos considerar como ponto forte do episódio: Daisy chamando Simmons de irmã, Mack e Daisy conversando, algo que não víamos direito desde a 3ª temporada e, particularmente, gostávamos muito da dinâmica, Dousy momentos sempre fofos, o breve momento Philinda, Nathaniel pedindo pra morrer mais um pouco batendo na Simmons e, claro, o retorno de Fitz, mesmo que para apenas duas cenas.



Ainda restam algumas perguntas para serem respondidas, mas já podemos considerar que os chronicons voltam como vilões principais para a temporada. Gostamos? Não sei. Mas esperávamos mais, de qualquer forma. Porém, o que temos visto tem agradado, então, só vamos.

Próxima semana é tiro, porrada, bomba e choro com as duas horas do final da série. Estrutura emocional: não temos. Esperamos sobreviver para fazer o (lágrimas) último review da sétima temporada de Agents of SHIELD.


Nossa nota: 9.5

Confira a sinopse e imagens vazadas do episódios finais de Agents of SHIELD aqui.


Há muita coisa ainda para acontecer, antes do final da série, mas ainda temos esperanças que será um final bom e digno de 7 temporadas. Confiram a promo dos episódios 7×12″The End is at Hand” e 7×13 “What We’re Fighting For” que irão ao ar na próxima quarta-feira, na ABC, começando às 22h, horário de Brasília. A missão final acaba dia 12 de agosto de 2020.


Veja também