Review primeira metade da 7ª temporada

 Review primeira metade da 7ª temporada

Dia 01 de julho, chegamos ao sexto episódio da 7ª e última temporada de Agentes of SHIELD. Considerando que a serie vai ter 13 episódios, o episódio da semana passada nos coloca no meio da temporada final da série. Com isso, resolvemos fazer um super review de todos os episódios até o momento e uma votação no final, de qual você considerou o melhor episódio dessa primeira parte da despedida da nossa série favorita.

Antes de começar com os episódios em si, vamos destacar algumas coisas que já podemos admirar: os figurinos, maquiagem e cenários estão PERFEITOS. A produção caprichou tanto, que nos sentimos verdadeiramente na época em que nossos agentes estavam. Mais um ponto para mostrar que audiovisual vai muito além do que já vemos nas câmeras.


Outra coisa que tem nos chamado atenção até aqui, foi a mudança de abertura conforme o episodio. Até a 6ª temporada tivemos aberturas muito parecidas, até chegar a 4ª, que inovou trazendo uma nova abertura para cada arco (Ghost Rider, LMD, HYDRA). Com a 7ª temporada, tivemos uma abertura por episódios, ainda que algumas similares, mas todas diferentes. E esperamos que sigam essa ideia até o fim!

Machismo e racismo também foram muito abordados nos primeiros episódios da série. Em suas diversas épocas, de formas diferentes, mas muito bem exploradas pelos roteiristas da série, encaixando perfeitamente, inclusive, no atual movimento #blacklivesmatter, mesmo que a série tenha sido gravada há mais de 1 ano.


7×01 – The New Deal (O Novo Acordo)

E assim começou a última temporada de Agents Of SHIELD: logo em seguida aos acontecimentos da 6ª temporada, sem muito tempo para refrescos (fora o tempo literal de espera – 1 ano é muita coisa).
Descobrimos que a equipe está em 1931 e que precisam impedir os chronicons de tomarem a Terra. O episódio começa direto ao ponto, nada de “previously on Marvel’s Agents OF SHIELD“, fomos direto pra cena dos chronicons roubando a face dos guardinhas (aquela cena que vimos nos diversos trailers que a ABC liberou).


Começamos com Coulson confuso, assimilando todas as novas memórias atualizadas em seu HD, já que agora ele é um LDM. Depois desse começo e uma breve – e bota breve nisso – explicação da Jemma sobre o que estava acontecendo, eles vão atrás dos chronicons.
Já na nas ruas de 1931, nossos agentes passam a tentar entender o quanto a presença deles ali afeta o futuro como eles conhecem, Deke explica sobre a teoria do tempo como uma corrente de água, onde eles podem fazer algumas ondulações, mas não ondas grandes, sem mexer no fluxo da água em si.

Conhecemos a primeira geração Koenig, que ajuda nossos agentes e descobrimos no final que para salvar a SHIELD, eles teriam que salvar a HYDRA, pois sem a HYDRA, a SHIELD não precisaria existir. Também conhecemos, por tabela, Wilfred Malick, pai do nosso não tão querido Gideon Malick (sim, aquele velho mala da 3T que trouxe o Hive pra Terra). Era ele que os chronicons estavam atrás, que diziam ser o fio que acabaria com a existência de SHIELD.



7×02 – Know Your Onions (Conheça suas cebolas)

Ainda em 1931, nossos agentes agora estão divididos: Mack e Deke levam o (então menino) Malick para fazer uma entrega, enquanto Coulson e Daisy voltam para o bar do Koenig, encontrando em seguida, com Jemma e Yo-Yo (agora com novos braços, entregues para ela no episódio anterior, mais humanos, porém descobrimos que ela não está conseguindo usar seus poderes).

Aos poucos, eles descobrem que o que Malick iria entregar é o soro com a fórmula que “cria” o Caveira Vermelha e que dá origem ao do supersoldado, que dá origem ao Capitão América.
Ao final do episódio, Deke quase acata ao pedido de Daisy matando o Malick, mas a voz do bom senso (também conhecida como Mack), o faz desistir da ideia.


May está viva e compra uma briga com Enoch (menino Enoch aprendeu uns bons truques de luta). Ela tinha sido esfaqueada pelo Sarge na 6ª temporada e foi para um templo onde não havia vida ou morte. Dali, ela foi direto para uma câmara de recuperação, porém ela acabou saindo de lá antes do tempo e percebemos uma mudança considerável em seu comportamento. Em um resumo: ela tá estranha.
Para terminar, ao tentar garantir que Malick faça o que precisa ser feito, Enoch acaba ficando para trás e não participa do salto no tempo com a equipe. Que, descobrimos, não ser controlado, pois apenas recebem o aviso de que irão saltar atrás dos chronicons.


7×03 – Alien Commies From the Future! (Alienígenas Comunistas do Futuro!)

Chegamos em 1955, na Área 51. Primeiro episódio do esperado crossover com a série Agent Carter, aqui representada por Daniel Sousa (Enver Gjokaj).
Vimos Jemma Simmons BRILHANDO se passando pela própria Peggy, infiltrada junto com Coulson na Área 51 (que descobrimos ser uma base da SHIELD), para tentarem descobrir o que os chronicons queriam e, melhor parte, quem eram os chronicons que estavam ali na base. Em uma sequência ótima de perguntas e respostas tentando tirar emoções dos chronicons, Coulson e Simmons fazem diversos tipos de perguntas para os cientistas presentes na base.


Com a aparição de Daniel, a gente já sabia que Jemma seria desmascarada. Dito e feito: ela e Coulson (num momento fanboy maravilhoso para o Sousa) são presos e precisam ser resgatados pela Daisy, disfarçada de Agente da CIA. Aliás, uma cena muito engraçada.

Depois disso, tivemos May e Yo-Yo entrando no laboratório, disfarçadas de pilotas, para tentar descobrir quem eram os chronicons disfarçados. May tem um ataque de pânico naquela confusão (ainda sem entendermos o que estava acontecendo) e Yo-Yo não conseguia usar seus poderes. A chronicom que elas identificam consegue escapar e segue com seu plano, enquanto May e Yo-Yo partem atrás delas.
Aos 45 do segundo tempo (como as coisas costumam ser em Agents of SHIELD), quando May e Yo-Yo estão quase sendo mortas pela chronicom, Jemma consegue um PEM e desliga os chronicons (incluindo Coulson).



7×04 – Out of the Past (Fora do Passado)

Como Coulson havia sofrido com o desligamento pelo PEM no episódio anterior, a série nos presenteia um episódio estilo noir, todo em preto e branco. 95% do episódio foi todo com esse conceito, onde tivemos Coulson narrando a aventura dele e de Daniel Sousa, tentando entregar uma encomenda para Howard Stark.
O episódio começa com Coulson capturado, quando ele se dá conta que naquela data é conhecida pela morte do Agente Sousa, enquanto fazia essa entrega. Então, Coulson o convence (nada como ser do futuro e saber de detalhes importantes, né?!) de que está ali para ajudar e os dois vão ao encontro de Howard juntos.

Claro que não podia deixar de ter contratempos. Na viagem de trem, rumo à Los Angeles, Coulson é abordado pelos chronicons, que propõe que ele troque de lado, já que agora “é um deles”. Enquanto isso, Deke e Yo-Yo estavam indo buscar o pacote que eles precisavam entregar, mas são surpreendidos por dois capangas que levam Deke dali.
Os agentes levam Daniel para a Zephyr 1, descobrem que ele sabia sobre a HYDRA infiltrada e que provavelmente isso acabou o matando. No mesmo tempo, Deke aparece de cara com o Wilfred Malick, o que ele quase matou nos primeiros episódios. E que quase matou ele agora nesse. Coisas da vida, acontece toda hora.
Paralelo a isso, vamos desvendando o mistério que envolve a May: agora ela é um empata, que só consegue sentir os sentimentos das pessoas que toca (o que será bem útil para um futuro próximo, como veremos nos próximos episódios).


Por fim: Daniel é salvo pelos nossos agentes, que forjam a morte dele com a ajuda de Coulson, fazendo com que a história não seja alterada e entrando para a equipe a partir dali.
Momento triste: Enoch aparece nesse episódio, fazendo a comunicação entre os agentes pelo telefone e Zephyr. Ele todo chateado por ter sido deixado para trás novamente (mesmo que, teoricamente, ele não sinta nada por ser um chronicom).
Ah, e sobre o episódio ser preto e branco com a narração do Coulson?! Nada além de uma falha no sistema do nosso querido agente.


7×05 – A Trout in the Milk (Uma truta no leite)

Destaque inicial para a abertura MARAVILHOSA do episódio, estilo anos 70, e a trilha sonora que fez toda diferença. Deu até vontade de viajar no tempo pra viver naquela época.
Estamos em 1973, nossos agentes vão direto para a base (bar) da SHIELD encontrar com Enoch, para ajudar a Simmons. Mas não esperavam encontrar Malick aliado da SHIELD, liderando o lançamento do Insight (ainda mais porque ele deveria estar morto aquela altura do campeonato).
Jemma aparece com uma falta de memória, e tudo o que sabemos é que existe algum tipo de dispositivo ligado a sua nuca.


E… o tempo muda novamente. Agora estamos em 1976, e Souza não fica muito contente em saber que havia sido tirado de seu tempo, mas descobre que a culpa não é deles, pois a Zypher só segue a data dos Chronicons (logo depois do Deke ter brigado com ele).
Em 1976, o Projeto Insight está super avançado e pronto para ser lançado, atingindo nomes importantes para o futuro da SHIELD, como Peggy Carter, Bruce Banner e outros. Eles estão no Farol, Coulson e May se preparam para invadir o local e impedir que o míssil seja disparado; Daisy está hackeando do lado de fora, com a ajuda de Sousa, garantindo que eles consigam o acesso; Deke e Yo-Yo vão atrás do Wilfred Malick para capturá-lo.

Para o plot twist final: Daisy e Sousa são sequestrados por Nathaniel Malick, que pede ajuda para Daniel Whitehall; Mack descobre que seus pais estão presos e aborda a explosão do míssil na base, explodindo ele no ar e entregando a localização do Zephyr 1; Deke acaba atirando e matando o Malick pai. Com isso, fechamos o gancho para o sexto episódio.



7×06 – Adapt or Die (Adapte ou Morra)

O episódio começa com Zybii, preditora dos chronicons, conversando com um deles para colocar o plano em ação, de ativarem os chronicons que iriam tomar conta da base.
Depois de brigar com Deke por ter matado Malick, Mack e Yo-Yo vão para o Farol, resgatar os pais do Mack. Tem uma cena MUITO FOFA dele abraçando a mãe, mas como ele veio do futuro, a cena acabou se tornando meio constrangedora.
Ao ver Enoch implantando algo na nuca de Jemma, Deke o atac. É quando descobrimos que ela mesma, junto com o Fitz, havia criado um inibidor de memória para esquecer onde Fitz estava, mas o problema é que isso estava também afetando outras memórias de longo prazo.

Daisy acorda e percebe que está sem seus poderes, por causa da droga recebida por Nathaniel. Logo que ele aparece, revela que seu plano é drenar o sangue da Daisy para pegar seus poderes inumanos para si mesmo. Fomos presenteados com uma cena muito fofa de Daniel tentando ajudá-la, contando uma história de quando ainda era um soldado. Nathaniel até consegue pegar os poderes da Daisy, mas como não consegue controlar, acaba morrendo, dando a brecha pra Daniel sair dali com ela.
Depois de Coulson trocar umas ideias com Zybii sobre a diferença entre humanos e chronicons, Coulson garantiu que Daisy e May estariam a salvo e em um ato heroico, se sacrifica e destrói a nave de chronicons.
Antes disso, importante ressaltar, houveu ma DR dele com a May sobre o fato dele nunca morre, sempre acabar voltando de alguma forma. O que ela acaba ressaltando depois desse sacrifício dele.


Como nada em SHIELD é tão normal assim, May percebe que o pai do Mack não transmitiu sentimento algum (lembra do poder empata que seria útil?), fazendo com que haja uma luta muito triste, onde Mack precisa jogar seus pais para fora do Quinjet. Por outro lado, teve uma cena muito fofa do Deke pedindo desculpas ao Enoch e dizendo que ele é um membro importante para a família deles.
Todos voltam para a Zypher para mais um salto no tempo, inclusive Sousa, mudando de ideia sobre permanecer em 1976. Assim que chegam na nova época, Mack pega sua moto para espairecer um pouco e quando Deke vai atrás dele para saber se estava tudo bem, no meio do caminho, ele descobre que Zypher irá saltar novamente, mas não chega ao Mack a tempo, fazendo com que ambos fiquem para trás, presos em 1982.


A última temporada de Marvel’s Agents Of SHIELD já está no ar pela ABC, nos Estados Unidos. Aqui no Brasil, a Sony se encarrega de fazer as transmissões, mas ainda não definiu uma data de estreia para a temporada final.


Veja também