Review 7×10: Roubado

 Review 7×10: Roubado

Outro episódio bom, mas ainda não tão bom quanto o da semana passada. A temporada segue estável e muito boa de acompanhar, e a ansiedade pelo final só aumenta.

A primeira cena já nos mostra Malick conhecendo um cara que, só mais pra frente, descobrimos ser John Garret (yep, HYDRA, Ward, primeira temporada. Esse mesmo). Aqui ele foi interpretado por James Paxton, filho do ator Bill Paxton, intérprete do Garrett que conhecemos e que faleceu há alguns anos. Uma forma que encontraram de homenageá-lo.
Mas, enfim, Garrett conhece Malick, que lhe mostra os poderes, conta sobre seu futuro para John e o convence a se juntar a eles (achamos fantástico como a galera aceita o fato deles serem do futuro com tanta naturalidade, hahahaha).


Nathaniel Malick e John Garrett

Disso, partirmos para a equipe retornando ao Farol. Apesar da Zephyr ter sido salva, graças ao Enoch, o dispositivo do tempo segue com defeito e a equipe ainda está em 1983.


Eles estão se acomodando na base e vemos Daisy, Sousa e Jemma tentando entender o que podebl ter acontecido com o dispositivo. Depois de mais um momento gentleman de Sousa com a Daisy (nosso ship segue vivo), nossa Quake resolve questionar Simmons sobre como ela ficou quando removeram a Diana no episódio anterior. O que deixou Simmons preocupada.


Então, elas são chamadas no controle da base e todos resolvem que deter Malick e proteger Jiaying, garantindo a existência da Daisy, é o mais importante a se fazer. Coulson, Gordon, Mack e Yo-Yo partem, então, para o Afterlife.

Lá, vimos que Malick aprimorou a forma de transfusão de poderes, fazendo com que o Li (o carinha das facas) começasse a transferir seu poder para Durant (personagem do ator brasileiro, Gabriel Sousa).



Deke está na Zephyr trabalhando no dispositivo do tempo quando Simmons chega. Ele diz que quer entender porque perderam contato com Fitz e Jemma, pensando no que Daisy havia dito, começa a achar que eles nunca estiveram mesmo em contato, que não era ele guiava as viagens, mas sim a Zephyr que estava programada pra isso.

De volta ao Farol, Jiaying agora está com eles, enquanto Daisy tenta lidar com sua mãe e tudo que aconteceu entre elas. Sousa convence Daisy a contar a verdade, mas ela desiste, após uma conversa muito linda e emocionante entre as duas, em que Jiaying diz que a melhor coisa de sua vida é sua outra filha, Kora. Ah sim, Daisy também conta que foi Jiaying que lhe ensinou a controlar seus poderes, “daqui 30 anos”, e que eles vieram do futuro (o que também fui super bem aceito, rs)


Quando chega no Afterlife, Coulson e Gordon são capturados por Malick. É quando Coulson descobre que ele possui o Fluxo do tempo, que era o que a Sibyl usava para “prever” o futuro.
Então, os poderes de Gordon são transferidos para Garrett e eles partem para o Farol.


Chegando lá, May encontra Garrett, que se apresenta e eles começam a lutar. Ao ver que está perdendo (Garrett nem se compara com nossa cavalaria), ele desaparece novamente. May alerta Daisy e ela vai tentar proteger sua mãe, mas ambas dão de cara com Malick.


Outro momento muito bonito entre Daisy e Jiaying (apesar do meu ódio consumido pelo Malick): Nathaniel conta sobre Daisy ser sua filha e Jiaying, lembrando da conversa anterior que Daisy diz que sua mãe a machucou, diz que nunca faria isso. Aí Nathaniel dispara a contar tudo que aconteceu entre elas, sendo parado por Daisy no momento que ele ia falar que Karl é quem mata Jiaying, para proteger a filha.

Malick contra ataca Daisy, alegando que ele tem esse poder há mais tempo que ela agora. Jiaying protege a filha (em uma forma de redenção da personagem) e ele acaba a matando. Daisy começa a ficar furiosa, se levantando do chão com a força de seu poder, enquanto Malick parece preocupado e leva um tiro de May, que chega por trás (May, te amo, mas podia ter deixado a Daisy arrebentar aquele projeto de Tremor ali, né??). Ele foge do local e, então, percebem que eles não estavam atrás de Jiaying.



Assim que o episódio estava chegando ao fim, Garrett sequestra Jemma e junto com Malick, eles roubam a Zephyr para irem atrás de Fitz. Pois, de acordo com Malick, ele é o responsável por todas as vezes que ele e Sibyl perdem. Mas Deke, que ainda estava analisando o dispositivo, continuava dentro da Zephyr, o que nos leva a dúvida: o que ele deve fazer, para salvar seus avós?

O que achamos:

Bom, as coisas começam, literalmente, a caminhar pro fim. Devemos finalmente descobrir o que aconteceu com Fitz nos próximos episódios.


Esse episódio não foi nada muito WOW comparado a alguns (oi, 7×09), mas trouxe muitas coisas legais à tona.


Uma dessas coisas foi, sem dúvidas, como mencionamos, a relação da Daisy com sua mãe. Serviu como uma mostra para gente que, o que fez a Jiaying se tornar o que ela se tornou, foi muito pelo que o Whitehall fez com ela, mesmo (perdoamos a tentativa de matar a Daisy? Não, mas ela morreu para salvá-la dessa vez, então podemos dizer que subiu no nosso conceito). Os diálogos envolvendo as duas foram muito emocionantes, especialmente quando Jiaying descobre que Daisy é sua filha.


Outro ponto a se considerar: a preocupação de Jemma com Fitz (que fez a gente ficar um pouco preocupado também). Desde o episódio anterior, estamos mais curiosos pelo que aconteceu com FitzSimmons desde que Enoch os salvou no Farol, no final da 6ª temporada. Todo esse mistério sobre onde está Fitz só nos faz pensar numa coisa: que valha muito a pena, porque para tirar um personagem tão importante da história na última temporada da série, precisa de uma boa justificativa. Também é sempre bom ver a relação de avó e neto que Jemma tem criado com Deke nessa temporada. Fora a lembrança de tudo que Enoch fez para salvá-los.

Coulson descobrindo sobre o fluxo do tempo e o retorno de Garrett também rendeu para o episódio. Achamos que a versão jovem de John Garrett tem tudo a ver com o que vimos dele na 1ª temporada, adicionado um pouco da euforia de um jovem quando descobre brinquedo novo (ou superpoderes, coisas que vemos todos os dias). Ah, e também descobrimos como foi que ele acabou se virando contra a SHIELD e indo pra HYDRA, afinal.



Como bem disse Sousa para Daisy, essa linha do tempo está toda ferrada. E fica a dúvida se os agentes conseguirão arrumá-la ou, simplesmente, irão para uma outra. Agora, como arrumar com tanta gente que não deveria estar morta, morrendo? E gente que deveria estar morto (oi, Nathaniel), vivo e dando trabalho? Aliás, quem diria que o Gideon se tornaria nosso Malick preferido…

E falando em Nathaniel Malick, ele tem sido uma das poucas coisas que não estamos gostando nessa temporada final. Sério, esperávamos um vilão nível AIDA pra cima. Pra terminar de uma forma digna. Mas, nem tudo é perfeito, né? Há quem diga que não se pode ter outra quarta temporada e pedir uma aclamação igual aquela. De nossa parte, a campanha “morra, Nathaniel, morra” está firme e estamos aguardando por esse momento. Preferencialmente, nas mãos da Daisy, pra mostrar que nada melhor do que a Quake original. No momento, estamos até aceitando a troca dele pelo Garrett como vilão para os episódios finais…


Há quem espere uma conexão com os filmes, especialmente Ultimato, há quem prefira que isso não aconteça. No momento, estamos só pensando no quanto a temporada está em um nível alto e como nossas expectativas para esse final só aumentam. E esperamos que o tombo não seja grande.


Cada episódio que se passa, tem sido mais triste, pois sabemos que não haverá mais continuação para a história desses agentes que tanto amamos.


Nossa nota: 8,5

O penúltimo episódio de Agents of SHIELD vai ao ar dia 05 de agosto, às 23h, horário de Brasília. Confiram a promo legendada:

E não percam a series finale, que vai acontecer dia 12 de agosto, com a exibição dupla dos últimos episódios da série: 7×12 – The End Is At Hand (O Fim Está Próximo) e 7×13 – What We’re Fighting For (Pelo que Estamos Lutando), começando às 22h, horário de Brasília.



Veja também