Review 7×09: Como Sempre Fui

 Review 7×09: Como Sempre Fui

Pela promo e pelos sneaks já sabíamos que o episódio seria em forma de loop e se você, assim como nós, gosta desse tipo de temática, pode se sentar pois esse episódio é um prato cheio.

O episódio 7.09 “As I Have Always Been” (Como Sempre Fui), foi a estreia de Elizabeth Henstridge como diretora na série, pois até agora, tinha sido “somente” atriz para Jemma Simmons.


Logo que o episódio começa, a equipe percebe que o truque da Yo-Yo para acabar com o problema do drive temporal deu errado, criando assim, um loop.


Desde que vimos a promo do episódio, ficamos muito animados com a ideia de um episódio em loop, onde as coisas se repetem, mas com alguns pequenos detalhes de diferença. A trama então gira em torno de Daisy Johnson (Chloe Bennet) e Phil Coulson (Clark Gregg), que são os únicos que tem essa noção de loop, enquanto para os outros é “Como se fosse a primeira vez“.


Com o passar dos loops, Daisy descobre que isso já estava acontecendo, há, pelo menos, umas… 90 vezes – quer dizer, é o que Coulson sabe, pois nem todas as vezes ele foi acordado – mas toda vez que Daisy morre, ela esquece de tudo, por isso foi tão rápido a assimilação do que estava acontecendo, assim que o episódio começou.

Tivemos uma conversa muito bonita entre Coulson e Daisy, dele falando que aquela situação, dele ter visto todos morrerem, cabe como uma metáfora para a sua atual situação: ele como um LMD, uma máquina, agora passará por isso, vendo todos eles morrerem um a um.



Descobrimos, depois de muito sofrimento pelas “mortes” de Jemma, Sousa, e quase todos os outros agentes, que o responsável era o Enoch. Ele havia sido programado pela Simmons e pelo Fitz para proteger o inibidor a qualquer custo, mesmo que precisasse matar, mesmo que tivesse que matar a própria Simmons. Então, eles começam a testar várias manobras para despistar Enoch e assim conseguir fazer com que a memória da Jemma fosse trazida de volta. Quando finalmente conseguem, tivemos uma cena muito triste, onde Jemma começa a chorar desesperadamente e sua atuação foi simplesmente excepcional.

Entre todo esse drama para despistarem Enoch, teve uma cena muito fofa. Toda vez que Daisy acordava da câmara, Sousa estava lá para ajudá-la e, em uma das vezes, ela toma coragem e conversa com ele: “Toda vez que eu peço ajuda, você diz que sim. Mesmo sem eu perguntar, está sempre aqui para me fazer descansar ou sei lá o que. Por quê? Seja honesto”. É quando ele diz que conhece o tipo dela, que algumas das pessoas favoritas dele são como ela “focadas no bem maior, mesmo às suas próprias custas. Quer que pensem que você gosta de ficar sozinha, mesmo que sempre acabe voltando para seus amigos”. E que quando encontram um problema, fazem de tudo para solucionar. Foi uma cena linda de ver e, pelo menos dentro da equipe, até quem não era shipper do casal, virou instantaneamente. O mais divertido foi no loop seguinte, quando Daisy, numa cena totalmente inesperada, beija o Sousa, quando ele não lembra de nada do que conversaram antes.


Para encerrar, descobrimos que a chave para a solução da quebra do loop, era o sacrifício do Enoch, por conta de um dispositivo que ele possui, sendo como um coração dos chronicons. Ao saber disso, ele não pensa duas vezes e retira o dispositivo. É quando temos uma das cenas mais tristes do episódio todo: Enoch conversando com Daisy e Coulson sobre como conhecer a equipe o fez ter ciência do que é solidão e como é se sentir só. Eles ficam com ele até o fim, quando ele fala que Fitz foi seu melhor amigo e, no que Daisy diz que ele foi um grande amigo para Fitz e para todos eles, ele responde com a frase título do episódio “As I have always…” (Como eu sempre…), não chegando a completar a frase antes de vir a morrer.


Outra frase de Enoch, dentro dessa mesma conversa, que foi para destruir o coração, foi quando ele fala para Daisy que “seus amigos vão, de fato, sobreviver, mas a equipe, não irá. Eu vi o futuro. Continue essa missão e aproveite, porque será a última missão juntos“. Como se fosse um aviso para os fãs também: “é isso, galera, estamos chegando ao fim de uma era”,


O que achamos:

Com certeza, foi o melhor episódio dessa temporada até agora.

Teve tantos momentos bons, foi divertido, foi triste, foi emocionante, inesperado em diversos momentos. Nós tivemos um episódio em loop que não só não cansa, porque as cenas não se repetem totalmente, como também nos trouxe muita coisa para se pensar, sobre os personagens, sobre a série em si e, até mesmo, por questões mais filosóficas, tipo “vida e morte”.



A história encaixa, a forma como conduziram e trouxeram alguns conflitos, como o fato da Daisy perder a memória toda vez que ela morre dentro do loop, foi uma solução incrível. Como construíram o conceito, deles estarem presos na tempestade do tempo e o fato de que cada vez ficavam mais próximos da morte; e que precisavam resolver o problema dentro do tempo do loop. Tudo isso trouxe uma ação que poderíamos não esperar em se tratando de um episódio de repetição, mas que fez todo sentido no final.

Enfim, não dá para falar muito mais, além de ter sido MARAVILHOSO, nós termos amado cada segundo e que foi um dos melhores episódios de toda série em nossa opinião. A única coisa que sentimos falta, é o que temos sentido durante toda a temporada: ONDE RAIOS ESTÁ FITZ?! Após a reação da Jemma, passamos a nos preocupar um pouco com o que possa ter acontecido com ele, afinal.


Por mais que não tenha sido algo grandioso para acrescentar na história em si da temporada, e da trama que estava acontecendo fora do Zephyr, ele trouxe coisas que fizeram a diferença para os personagens. E, no final do episódio quando vimos Malick e Kora, ficamos sabendo que a história retornaria pra os anos 80.


Por último, e com certeza não menos importante, queremos parabenizar Elizabeth por ter conseguido a oportunidade de ser a diretora de um episódio, ao mesmo tempo onde apareceu em muitas cenas, e mesmo assim ela conseguiu fazer um trabalho INCRÍVEL!


Nossa nota: 10

Caso tenha se interessado mais pelo casal Daisy + Sousa, confiram o vídeo produzido pela Marvel onde os atores e criadores da série comentam um pouco mais sobre essa química:

Veja também